Guilherme Guido. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Os melhores do segundo dia de Open

17 de dezembro de 2015

Torneio Open 2015Nenhum comentário em Os melhores do segundo dia de Open

O segundo dia de Open teve mais nove marcas abaixo do índice olímpico e tempos muito fortes, com direito a recorde sul-americano de Guilherme Guido. Só não foi melhor porque alguns nadadores que já haviam nadado abaixo do índice não conseguiram repetir a marca e o índice vai ficar para o Maria Lenk – mas como disse lindamente Etiene Medeiros (que ficou acima da marca do 100 costas), isso é esporte, e ser atleta é perseverar.

6- 200 livre masculino
Prova com tradição para o Brasil (Gustavo Borges foi medalhista em 1996) e para a qual não tivemos nadadores fazendo índice para Londres-2012. Dessa vez, já foram logo dois: João de Lucca e Nicolas Oliveira. Ambos tem marcas melhores, mas índice olímpico é índice olímpico.

Nicolas Oliveira. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Nicolas Oliveira. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

5- O recorde mundial júnior de Brandonn
O próprio Brandonn falou: o recorde estava engasgado. Mesmo tendo feito tempo melhor que o recorde mundial júnior no PAN de Toronto, como Brandonn não fez antidoping, a marca não foi validada. “Eu dormia e acordava pensando nisso”, disse ele a após a prova de hoje, onde nadou para 4’14”07, seu melhor tempo da vida e índice olímpico.

Brandonn Almeida. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Brandonn Almeida. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

 

4- Quatro vezes Joanna Maranhão 
Joanna já nadou diversas vezes abaixo do índice olímpico do 400 medley; ainda assim, poucos comemoraram tanto quanto ela quando fez a marca e caminhou mais próximo de sua quarta Olimpíada. Além disso, Joanna não saiu da final e fez força de novo. 4’40”78 de manhã e 4’41”82 a tarde, seu terceiro e quarto melhores tempos deste 2015, o ano em que caiu o tabu do 4’40 e Joanna nadou para 4’38”07.

Joanna Maranhao. Trofeu Daltely Guimaraes na Unisul, Campeonato Brasileiro Senior. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Joanna Maranhao. Trofeu Daltely Guimaraes na Unisul, Campeonato Brasileiro Senior. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

3- O 200 livre feminino
A prova era tensa e podia ter comprometido a qualidade da final, mas não foi o que aconteceu. Manuella Lyrio foi a primeira a nadar abaixo de 2’00 pela manhã, e a tarde nadou abaixo do índice olímpico, com 1’58”43. É seu segundo melhor tempo do ano, atrás apenas do 1’58”03 feito no PAN de Toronto. Para uma atleta que foi fenômeno das categorias de base, foi destaque do PAN de 2007 e quase parou de nadar, é muito legal ver Manuella pegando o índice olímpico.

Muito bom também o 200 livre de Jessica Cavalheiro, que quebrou a barreira dos 2’00 pela primeira vez, nadando para 1’59”77. Até o momento, Jéssica tem a segunda vaga. A terceira está com Maria Paula Heitmann, de 16 anos, que fez 2’00”24 na final, sua melhor marca pessoal. A quarta vaga até o momento está com Larissa Oliveira, que fez 2’00”54 nas eliminatórias. Nadadora não fez uma boa prova, e só esse ano já nadou 5 vezes abaixo de 2’00. Bom também o 2’00”67 de Rafaela Raurich, feito tanto nas eliminatórias como na final.

Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

 

2- Os três do 100 borboleta masculino
Nas Olimpíadas de Londres, em 2012, não tivemos nenhum atleta do Brasil com índice para a prova de 100 borboleta. Muitos chegaram perto – caso de Marcos Macedo, que ficou a 7 centésimos do índice. Dessa vez, três nadadores já fizeram tempo abaixo da marca.Macedo, que está treinando com Albertinho, fez o melhor tempo pela manhã, com 52”17. Henrique Martins, que de manhã havia nadado para 52”25, fez 52”14 na final. Já Nicholas Santos, especialista no 50 borboleta e que começou a focar no 100 em busca da vaga olímpica, também nadou abaixo do índice com 52”31.

Henrique Martins. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Henrique Martins. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

1- O recorde sulamericano de Guilherme Guido 
Por essa não esperávamos. Guido já nadou bem pela manhã, fazendo 53”41, abaixo do índice olímpico. Depois de estar em Pequim-2008, Guido ficou fora das Olimpíadas de Londres. Mas o melhor ficou para a tarde, com Guido batendo o recorde sulamericano com 53”09. A marca é a nona melhor do mundo este ano e coroa um ótimo ano para o nadador, que chegou perto da final da prova no Mundial e foi medalha de prata no PAN. Aliás, a piscina de Palhoça é boa para Guido: em 2009, ele também bateu o recorde sul-americano do 100 costas, ajudando o Pinheiros a virar para cima do Minas e ser campeão do José Finkel.

Guilherme Guido. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Guilherme Guido. Torneio Open de Natacao na Unisul. 17 de dezembro de 2015, Palhoca, SC, Brasil. Foto: Satiro Sodré/ SSPress/CBDA

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »