Técnica de Dana Vollmer em 3D

Top 10 Maria Lenk 2014 – por Carol Moncorvo

1 de maio de 2014

Curiosidades, Troféu Maria Lenk 2014Nenhum comentário em Top 10 Maria Lenk 2014 – por Carol Moncorvo

10º Cielo nos 100 livre
Quem viu Cielo nesse Maria Lenk deve ter notado a diferença de postura do nadador durante toda a competição. Fez lembrar aquele velocista prodígio antes de se tornar campeão olímpico. Nadou todas as provas que estava inscrito, ajudou o Minas em todos os revezamentos. Estava sorridente nos balizamentos. Solícito na área de imprensa. E nadou bem os 100 livre. Nem parece aquele rapaz que desistiu de nadar a prova, por dizer que atrapalhava os 50. 48”13. Bela forma de retornar à prova que o mostrou para o mundo.

Foto: Satir Sodré/SS Press

9º Os tempos de Gabrielle Roncatto
Uma das principais promessas da natação feminina aos poucos já está se tornando realidade. Gabrielle Roncatto, ainda juvenil, apenas coroou uma excelente temporada que vinha fazendo, com seu treinador Tomazini. Ainda no primeiro dia, já baixou significantemente sua melhor marca, chegando a final A dos 200 livre com 2’02”97. Mas o melhor ainda estava por vir. Nos 200 medley, não só destruiu sua melhor marca, como foi a segunda melhor brasileira da prova, subindo pela primeira vez ao pódio absoluto, com 2’18”84.

Foto: Ricardo Bufolin

8º Gabriel Ogawa nos 200 medley
Tem provas que chegam a perder a emoção ao assistirmos. Parecem um dejavú de edições anteriores. Daí vem o pequeno Gabriel Ogawa, que de pequeno não tem nada, e chega em terceiro na prova, conquistando sua primeira medalha em campeonatos absolutos. A comemoração do Esporte Clube Pinheiros, do treinador Amendoim e, claro, do próprio nadador foram emocionantes. Medalha merecídissma para um talentoso menino, que destaca-se desde as categorias de base.

Foto: Ale Koizumi

7º O público no primeiro e último dia
Se fosse todos os dias esse mesmo público, eu colocaria em 1º dessa lista. O feriado de segunda e o simples fato de ser sábado ajudaram as pessoas a criarem coragem e ir assistir as finais ao vivo. Não chegou a lotar, é bem verdade, mas para quem está acostumado a ouvir grilos durante as finais do Maria Lenk, o público era bom e torcia, gritava. O Corinthians chegou a levar toda a equipe petiz em um dos dias de finais, para torcer por seus nadadores. Cheguei a ver uma faixa da Camisa 12, torcida organizada de futebol (ei, não precisam exagerar). O Correios poderia investir mais na divulgação das competições, pois o acesso ao local não poderia ser mais fácil e a entrada era gratuita.

Foto: Satiro Sodré

6º Fabio Santi nos 100 costas
O foco era única e exclusivamente nas raias do meio, onde Guilherme Guido e Thiago Pereira disputavam o ouro da prova, lado a lado. Mas ninguém percebeu, que lá na raia 2, outro pequeno gigante estava voando. Fabio Santi só despertou minha atenção na prova, nos últimos 15 metros. Com um final de prova avassalador, bateu na frente, destruindo sua melhor marca pessoal, fazendo 54”32, índice para o Pan Pacific, e subindo para 20º no ranking mundial.

Foto: Satiro Sodré / SS Press

5º O Ibirapuera
Tirando os blocos, fiquei muito feliz em ver como a piscina do Ibirapuera se transformou. Estamos tão acostumados em ver piscinas tradicionais abandonadas ou até mesmo demolidas, que é gratificante ver uma piscina com a história que tem o Ibirapuera, sendo reformada e ganhando uma estrutura de alto nível. Não só a piscina e arquibancadas, mas vestiários, áreas de acesso para atletas, pódio, paredes pintadas… Espero que o local continue sendo bem aproveitado, sempre recebendo competições regionais, estaduais e nacionais.

Foto: Ricardo Bufolin

4º Os 100 livre de Santana
Sabíamos que ele não estava polido no Sul-Americano e que coisa melhor poderia vir no Maria Lenk. Mas Matheus Santana foi abaixando seu tempo a cada queda nágua. Primeiro, nadou para 49”0 abrindo o revezamento da Unisanta. Nas eliminatórias da prova, já logo mandou um 48”8, batendo o recorde mundial junior. E na final, fechou com chave de ouro para 48”61, sétimo melhor tempo do ano. Conquistou não só a vaga do revezamento, como a vaga da prova individual, se consolidando no cenário nacional com apenas 17 anos. (Bom frisar que temos 3 brasileiros no top 10 do ano).

3º Gracielle e seus 24 segundos
O que sempre foi uma barreira para as velocistas brasileiras, quebrada apenas com Flavia Delaroli em 2009, hoje virou várzea para Gracielle Hermann. Na dúvida, a gaúcha nadou não uma, mas três vezes abaixo dos 25 segundos. Abrindo o revezamento para o GNU com 24”76, nas eliminatórias com 24”98 e na final com 24”79. De quebra, ainda igualou o recorde sul-americano de Arlene Semeco, que a deixa em 11º no ranking do ano.

2º A dobradinha top dos 50 livre masculino
Esse momento não precisa nem descrever. Principal prova brasileira da atualidade, nossos dois principais velocistas fizeram bonito. Os dois melhores tempos do mundo em 2014. A vitória de Cesar Cielo com 21”39 deixa o nadador disparado com os melhores tempos da era pós-traje. E os 21”45 de Bruno Fratus, fazendo o melhor tempo da CARREIRA em menos de um ano após a cirurgia do ombro, foram inacreditáveis. Um duelo “must” para qualquer competição internacional, rolando ali, em São Paulo, à disposição de qualquer expectador.

Foto: Ricardo Bufolin

1º A disputa dos 400 livre masculino
O recorde brasileiro de Armando Negreiros permanecia desde 2007 e durante todos esses anos, ninguém havia chegado nem próximo dos 3’51”18. Pois na sexta-feira passada, não só um, como dois nadadores fizeram uma prova incrível, onde Leonardo de Deus venceu com novo recorde 3’50”90, chegando próximo ao do sul-americano de 3’50”01 e Miguel Valente, que vinha de uma competição sensacional deu trabalho para ele, ficando a poucos centésimos do antigo recorde e do ouro, com 3’51”36. Prova de altíssimo nível para os padrões do fundo brasileiro.

Foto: Satiro Sodré/ SS Press

Menção Honrosa: Quase mais legal que ver novos atletas se superando e ganhando espaço no cenário da natação é cruzar com ex-nadadores prestigiando a competição e essa nova geração. Estiveram por lá: Gustavo Borges, Fernando Scherer, Joanna Maranhão, Monique Ferreira, Flavia Delaroli, Michelle Lenhardt, Cassiano Leal, Fabiola Molina, Gabriella Silva, Lilian Cerroni, Mariana Brochado…

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »