phelps

Ressaca

28 de setembro de 2016

EditoriaisNenhum comentário em Ressaca

A fase pós-olímpica é a mais difícil para qualquer pessoa envolvida com a natação. Para atletas, treinadores, mídia, clubes, patrocinadores, federações, espectadores… É o período onde mudanças drásticas acontecem em paralelo à ressaca deixada pelo maior evento esportivo do mundo. Quando o resultado não atinge às expectativas, esse período é ainda mais doloroso aqui no Brasil.

Por mais que a teoria diga que um novo ciclo olímpico se inicia no dia seguinte ao que acabam as Olimpíadas, na prática a coisa é bem diferente.

Clubes e federações cortam investimentos. Assim como a maioria dos contratos com os patrocinadores se encerram (a não ser quando se ganha uma medalha). A mídia ainda tenta gastar um resto de assunto por poucas semanas e espectadores voltam à sua rotina.

Atletas repensam planejamento com os treinadores. Alguns mudam de esporte, outros vão mais além e repensam o que querem da vida. Atletas que não competiram os Jogos Olímpicos também sabem que serão atingidos de alguma forma. Tratando-se das Olimpíadas que fomos sede, então, o impacto será gigantesco. Todo o investimento feito no último ciclo cairá (se não é que acabará) drasticamente.

Somado a isso, escândalo de corrupção na Confederação. Confederação que pode ter uma nova gestão após 3 décadas, ainda este ano.

A natação brasileira está em fase de baixa, mas principalmente em fase de mudanças. A mudança é necessária e oportuna. A baixa talvez também seja.

Enquanto isso, recuperamos nosso fôlego para um novo ciclo. Estamos otimistas por esse recomeço, a ressaca acabou.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »