Credibilidade da natação brasileira está baixa

24 de fevereiro de 2014

Doping, NotíciasNenhum comentário em Credibilidade da natação brasileira está baixa

Fica até difícil nos defendermos de situações como essa. Craig Lord é um dos principais jornalistas da natação mundial. Esse sim tem credibilidade. Nessa última sexta-feira, o britânico postou em seu famoso site Swim Vortex, um longo texto, falando sobre o doping no Brasil.

Mais especificamente, Lord indagou o motivo da não divulgação do nome do nadador infantil, que foi pego no doping no Troféu Mauricio Bekken no fim do ano passado. A crítica é voltada com mais força à CBDA e não ao menino.

Assim como nós sabemos, e o próprio jornalista também sabe, o nome do garoto não foi divulgado para protegê-lo, por ter apenas 13 anos, seguindo o Estatuto da Criança e do Adolescente, que defende que nenhum nome deve se tornar público, em casos legais que envolvam crianças menores de 16 anos.

O assunto veio à tona, pois um menino também de 13 anos do Quirguistão (pois é) foi pego no doping com o estimulante Metilhexanamina e, ao contrário do brasileiro, teve o nome divulgado pela FINA.

O texto critica, primeiramente, o fato de nadadores tão novos já terem o acesso e a necessidade de substâncias ilícitas, seja por influência dos pais, treinador, ou quem for. Critica o fato dessa situação servir de mal exemplo para outros jovens brasileiros, sempre associando às próximas Olimpíadas que terão sede aqui. Aproveita para citar o caso de Samuel de Bona que foi pego com a mesma substância e também ressalta que já temos mais de 20 casos de doping na história da natação brasileira.

Mas o verdadeiro ponto do texto é uma crítica ao sistema (aka Confederação). A CBDA se faz de protetora, ao seguir regras do Estatuto, mas não atende à regras básicas da WADA, como anular os resultados e recordes do menino, que inclusive já foi punido. Craig ainda diz que nossa confederação já vem formando uma imensa bolha de proteção há um bom tempo e em algum momento ela irá estourar.

Tem como discordar?

Para ler todo o texto (em inglês), clique aqui. Aliás, pelo link você vai descobrir o primeiro nome do menino brasileiro.

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »