Finkel – Etapa 3

22 de agosto de 2012

Resultados, Troféu José Finkel 2012Nenhum comentário em Finkel – Etapa 3

A etapa de hoje teve mais recordes sulamericanos, mais índices, mais vitórias de estrangeiras no feminino e, ainda, algumas surpresas.

Nos 100 borboleta feminino, nem as gringas nadaram abaixo do índice estabelecido pela CBDA. A australiana Marieke Gueher, que representa o Flamengo, chegou muito próxima, inclusive batendo o recorde de campeonato, com 57”34. A holandesa Inge Dekker, pelo Minas, perdeu por pouco e terminou com a prata: 57”39. Na briga entre as brasileiras, Daynara também do Flamengo venceu fácil com 58”17. A prata ficou com Daiene Marçal, do Botafogo, nadando para 59”13. E o bronze, para Fabiola Molina, do Minas, com 59”38.

Índice para o mundial de curta: 57”00
 

Kaio Márcio de Almeida, pelo Fluminense, nadou mais uma vez abaixo do índice do mundial nos 100 borboleta masculino. Levou o ouro com tranquilidade com 50”74, um pouquinho pior que ontem. Gabriel Mangabeira do Pinheiros levou a prata com 51”85. Logo atrás, também do Pinheiros, Henrique Martins ficou com o bronze, com 51”90.

Índice para o mundial de curta: 50”98
 

Nos 100 peito feminino, a vitória acabou sendo tranquila para a argentina Julia Sebastian, com 1’08”24. Disputada mesmo foi a briga entre as brasileiras do pódio. Todas para 1’09”0. Ana Carla Carvalho ficou com o ouro para 1’09”00, Tatiane Sakemi deu a dobradinha para o Pinheiros com 1’09”01 e Renata Sander, representando o Minas ficou com o bronze para 1’09”08. Índice? Recorde? Muito distante…

Agora, 6 nadadores na casa dos 58” nos 100 peito masculino, não é sempre que a gente pode ver. Cada vez mais, essa prova é um espetáculo nos campeonatos brasileiros. Sempre muito disputada, hoje tivemos Felipe França do Pinheiros como vencedor, o que tem ocorrido com frequência. Com 58”17, estabeleceu o índice do mundial e levou o ouro. Felipe Lima do Minas levou a prata e também o índice, com 58”26. O bronze ficou para o Flamengo, com Henrique Barbosa para 58”62. Para se ter uma noção, o sexto colocado fez 58”74.

Índice do mundial de curta: 58”37
 

Demais é ver Femke Heemskerk nadar. Nadou muito fácil os 400 livre feminino, que chega a dar impressão que não está fazendo força. Manuella Lyrio bem que tentou nos últimos metros alcançar a holandesa, mas chegava na virada e recuperava toda a vantagem sobre a brasileira. Femke bateu o recorde de campeonato, ajudando ainda mais a equipe do Minas, fazendo 4’07”81. Manuella nadou também muito bem, fazendo seu melhor tempo pessoal: 4’08”94. Detalhe para a última parcial da Manu: 1’01”10. Poliana Okimoto do Corinthians ficou com a prata das brasileiras com 4’12”00 e Jessica Bruin com o bronze pelo Fluminense com 4’13”37.

Índice do mundial de curta: 4’05”25
 

O bom de piscina curta é que até as provas mais longas ficam mais emocionantes. Nos 400 livre masculino, Andre Schultz impressionou com suas ondulações, assumiu a liderança já no começo e permaneceu assim até os 385 metros. Teve a ousadia de ondular até quase os 12,5 até a última virada, onde ganhava extrema vantagem sobre os adversários, mas nos últimos 100 metros era nítido como perdia velocidade durante o nado. Giuliano Rocco se aproveitou disso e bateu na frente com 3’47”22, contra 3’47”50 de Schultz. Lucas Kanieski terminou com o bronze também muito próximo, com 3’47”63. Índice aqui também esquece… 3’41”…

Etiene Medeiros não quis nem esperar forçar na final dos 50 costas feminino, já nadou forte e foi a primeira brasileira a fazer o índice do mundial: 26”99, novo recorde de campeonato. Fabiola Molina, a recordista sulamericana está balizada com o segundo melhor tempo: 27”75, seguida por Natalia Diniz: 27”94. A final ainda tem a australiana Kelly Subbins, Roberta Albino, Isabela Vicente, Gabriele Lima e Laura Garcia.

Índice do mundial de curta: 27”13
Tempo para entrar na final: 29”28
 

Nos 50 costas masculino, vou ter que falar um pouco das eliminatórias, antes das semifinais, já que pela manhã as coisas foram mais emocionantes. Guilherme Guido, já estreou com recorde sulamericano: 23”31 e índice para o mundial. Daniel Orzechowski também fez o índice e foi o único a repetir de tarde com 23”67. Guido na semi segurou no final e está com o segundo tempo: 23”93. Nessa final, ainda veremos Fabio Santi (os 3 do Pinheiros), Jander Lazaroni, Ricardo Machado, Nelson Junior, Vinicius Keinert e Thiago Sickert.

Índice do mundial de curta: 23”74
Tempo para entrar na final: 25”17
 

Taí uma prova bem interessante de assistir, já que são raras as oportunidades… O 100 medley é uma prova que a gente vê nadadores de todos os tipos, não precisa ser especialista no medley, basta ser rápido e ter pelo menos todos os estilos razoáveis. Nos 100 medley feminino, tivemos Juliana Kury passando para a final com o melhor tempo: 1’02”94, Flavia Delaroli com o segundo: 1’03”50 e Ana Carolina Azambuja com o terceiro: 1’03”90. Ainda Alessandra Marchioro, Bruna Rocha, Daniele Paoli, Lorrane Ferreira e Rebeca Bretanha. Tem nadadora de costas, peito, borbo, livre…

Índice do mundial de curta: 59”87
Tempo para entrar na final: 1’04”84
 

Nos 100 medley masculino, até que tivemos mais especialista de medley. O maior de todos eles e medalhista olímpico, Thiago Pereira para provar isso bateu o seu próprio recorde sulamericano com 52”25 confirmando o índice. Henrique Rodrigues se classificou com o segundo melhor tempo: 53”57 e Thiago Simon com o terceiro: 53”80. Na final, ainda nadará Lucas Salatta, Tales Cerdeira, Gabriel Mangabeira, Diego Prado e Renato Barufi.

Índice do mundial de curta: 52”70
Tempo para entrar na final: 55”10

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »