JoannaM

Campeonato Paulista 2015: o desafio

29 de junho de 2015

Diário de Joanna11 comentários em Campeonato Paulista 2015: o desafio

11707603_996617467036932_506892003901361223_n

Olá! Hoje vou escrever sobre minha “saga” das 12 provas no campeonato Paulista que aconteceu em Santos de 26 a 28 de Junho.

Optei por competir em 12 provas ao longo de 4 etapas, sendo 3 provas por etapa. Pode parecer loucura ou síndrome de Katinka Hosszu, rs, mas não é nada disso.

Em primeiro lugar, nessa preparação pro Pan Americano e mundial não tivemos nenhuma ação internacional, de forma que ficamos a maior parte do tempo treinando em São Paulo, ou seja, eu precisava ganhar ritmo de competição.

Quando vou nadar lá fora, me sinto desafiada por estar competindo com meninas mais fortes de outros países, construir essa motivação dentro de um campeonato estadual se torna mais difícil, e eu queria encontrar uma forma de me concentrar e buscar algo grandioso dentro do campeonato.

Em segundo lugar, por ter ficado parada por 6 meses, eu perdi muitos índices em provas que não tenho hábito de competir, por isso, eu queria ter tempo novamente nessas provas que podem se tornar minha terceira ou quarta opção de prova no Maria Lenk ou Finkel (um dos benefícios de ser nadadora de medley, hehe)

Dessa forma, propus pro meu técnico (André Ferreira) essa maratona de provas, num primeiro momento ele achou que eu estava ficando louca, ou empolgada demais com os treinos.

Quando falei das provas que eu queria nadar, eu disse: “inscreve e a gente vai maturando a idéia”.

E assim fui seguindo com os treinamentos, conversei com minha psicóloga, montamos as metas pras provas e por último, na véspera da viagem fui ao consultório da minha médica, DR Karina Hatano que estava com os cabelos em pé quando soube da idéia, rs.

Durante mais ou menos um hora de consulta, montamos uma estratégia de suplementação e alimentação para cada etapa, focada em cada prova, afim de me recuperar e não me deixar com imunidade baixa para a outra semana de treinos.

Malas prontas, lancheira equipada e coragem pra suportar a competição, peguei meu carro e parti pra Santos…

Primeira etapa:

Nos 1500 me senti muito bem, e me surpreendi quando vi 16”31 no placar, melhorei 16 segundos numa prova que não é o foco do meu treino mas por ter uma resistência boa, consegui imprimir um ritmo bom de prova, fiquei muito feliz também por ter conseguido manter o trabalho submerso durante toda a prova.

200 costas, nadei para 2’17, senti um pouco a prova dos 1500 mas gostei dos parciais e das frequências, a intenção era nadar para um tempo um pouco abaixo disso mas ainda assim, fiquei satisfeita.

4×100 livre, velocidade nunca foi o meu forte (infelizmente) mas nadar essas provas mais curtas são excelentes pro meu 200 medley e apesar de não ter conseguido passar forte, fiquei feliz com meu parcial de 56” alto (não sei 80 ou 90 os centésimos)

Segunda etapa:

Comecei pelos 200 livre, prova que irei compor o revezamento 4×200 do Brasil e tenho pouquíssimas oportunidades de nadar, novamente não consegui passar muito forte, mas tive uma boa volta e nadei pra 2’01, coisa que nunca consegui em período de treinos intensos.

Depois nadei os 400 medley onde fiz a marca de 4’48 (também meu melhor tempo em período de treinos intensos), gostei particularmente das frequências e do final de prova.

Como a etapa estava longa, eu almocei depois dos 400 medley e voltei pra piscina pra nadar o 4×200, como minhas companheiras são feras, eu só precisei administrar pra ganhar a prova, então não precisei fazer força. (deu pra dar uma recuperada).

Terceira etapa:

200 medley, nadei pra 2’16, foquei bastante no trabalho de transição e busquei nadar o mais próximo dos meus parciais quando fiz 2’12, tendo em vista que sou mais uma nadadora de resistência do que de velocidade, achei excelente o que consegui colocar pra fora.

Depois teve os 800 livre, prova que eu adoro! Uma pena eu não ter muitas chances de nadar essa prova, usei praticamente a mesma tática dos 1500, mas como já estava bem mais acumulada, a sensação era de fadiga muscular apesar de não sentir cansaço pulmonar, nadei pra 8’44, assim como nas outras provas, meu melhor tempo nessa fase de treinos.

Por último nessa etapa, nadamos o revezamento 4×50 livre, rodei meus bracinhos o mais rápido que pude, fiz um parcial de 26”36 que pra mim é beeeem rápido, apesar de eu saber que preciso sempre trabalhar meu anaeróbio, ou seja, ainda tem muita margem de melhora ai.

Quarta etapa:

Dia mais difícil pra acordar, meu corpo já estava dolorido mas minha vontade de terminar as 12 provas era maior, levantei, coloquei uma música e fui pra piscina.

200 peito: já foi uma de minhas principais provas (nadei essa no pan de 2003 inclusive) mas hoje é o meu “calo” no medley e por isso eu quis nadar essa prova, busquei nadar em cima da frequência do parcial de peito dos 400 medley, mantendo uma técnica boa. Nadei pra 2’41 que não é uma marca forte mas é muito bom por ser a décima prova em 2 dias.

Última prova individual e minha “queridinha”, me chamem de louca mas eu adoro nadar os 200 borboleta, a essa altura do campeonato meu técnico disse “segura a frequência nos primeiros 50 e vai com o coração”, foi o que fiz, nadei consciente do meu cansaço, insistindo nos fundamentos e no padrão de respiração que acredito ser o melhor pra mim, e o resultado foi excelente: 2’14”13.

No revezamento 4×100 medley eu abri de costas, não gostei muito do tempo que fiz: 1’05, mas quando vi a passagem, entendi o porquê do tempo alto (passei com 32”7), tenho essa dificuldade em imprimir velocidade e por isso procuro aproveitar da melhor forma as chances que tenho de nadar provas mais curtas, sei que isso vai me ajudar muito no objetivo final.

Fim do campeonato, sensação de dever cOmprido e cUmprido, rs. Minha intenção não foi mostrar nada para ninguém a não ser a mim mesma, compreender que sou capaz de suportar mais do que acredito, elevar meu nível de treinamento.

Hoje, aos 28 anos estou muito mais desapegada ao orgulho e sentimentos pequenos que as vezes nos impedem de dar um passo maior. Eu temo cada vez menos o fracasso e consequentemente tenho mais coragem de ousar, talvez a maturidade tenha me proporcionado esse entendimento, ou talvez tinha que ser nesse momento da minha carreira, seja lá qual for a razão disso tudo, eu estou feliz, estou plena e convicta de que diariamente busco a minha grandeza e me sinto vitoriosa quando retorno pra minha casa a noite com a certeza de que venci mais um dia.

 

51f0e933-3d18-4b92-bc15-056713e270c6_10155939_10207124572938695_977134845158207914_n

Posts relacionados

11 comentários em "Campeonato Paulista 2015: o desafio"

  1. Cheyenne disse:

    Parabéns!!!!
    Vc é fera! Inspiração para muitos! Continue a ser exemplo!!! Continuamos aqui, na torcida!!!

  2. Gil Guilherme disse:

    Joana parabéns pelo seu esforço, dedicação e principalmente muita raça pra cumprir essa verdadeira maratona q foi esse Paulistão. Tenho fé e esperança e ficarei muito na torcida q vc consiga atingir duas melhores marcas pessoais tanto no Pan como no Mundial de Kazan. Vou exercitar meu lado de adivinhão e premunitório ( rs ) e projeto as seguintes marcas q vc conseguira alcançar ou no Pan ou no Mundial de Kazan. Nos 400 medley vc vai nadar pra casa dos 4:37. Nos 200 medley vai fazer 2:10. Nos 200 borbo vai nadar p 2:08 e fará uma parcial de 1:48 no reve 4×200, ajudando o Brasil a baixar bem dos 8 minutos nesse reve ( acredito q vem tempo pra baixo dos 7:55 ). Espero que minha bola de cristal do Paraguai não me deixe na mão e eu acerte ou chegue muito perto dessas minhas previsões rs. Toda sorte do mundo nessas competições e o Brasil estará dando as braçadas com vc rumo a essas marcas. Fica com Deus e muito boa sorte.

  3. Joanna,
    é sempre bom ler o que você tem a dizer. Admiro muito seu talento e sua personalidade.
    Muita sorte e sucesso sempre.
    Agora uma perguntinha (rsrs): você parece gostar das provas mais longas. Não pensa em experimentar os 10K das Maratonas Aquáticas?

    • Joanna Maranhão disse:

      Oi Rodrigo!Gosto muito das provas de fundo sim mas sou da piscina, rs. O Brasil já está muito bem representando nas águas abertas e nunca tive curiosidade de tentar não, posso até fazer uma junto com a Ana Marcela (junto não, né? mas na mesma competição porque eu sou fã e amiga dela) mas só por brincadeira mesmo

  4. iago disse:

    Concordo com o Rodrigo, acho que vocêseria uma eexcelente nadadora de águas abertas, tem um estilo excelente, gosta de treinar e ainda tem muita força de vontade! ! Teste sim, quem sabe surpresas Boas não estão por vir! Boa e rumo ao 4,37

  5. Teresinha maranhão disse:

    Fiquei super feliz com seus resultados, sem falsa modéstia, esperava por eles, mas o 1500 foi “mara”, concordo que vc daria show numa maratona aquática, vi vc nadar uma travessia no Petiz I , chegar em segundo lugar de todas as mulheres, e “deram uma vaia” na premiação, alguém inventou que vc tinha pego carona no barco do seu pai, como se não existissem fiscais, só não estavam engolindo aquela “pirralha” chegar em Macéio e por muito pouco não tirar primeiro lugar. Parabéns filha.

  6. Agronopolos disse:

    Como vc pode participar do Campeonato paulista se vc mora em Recife moça?
    Não tem algo errado nisso? Será que tuas opiniões só vale para os outros mas sequer vc mostra o campeonato Pernambucano?
    O mal começa em pequenas atitudes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »