pan2015

Obrigada Toronto!

19 de julho de 2015

Diário de Joanna13 comentários em Obrigada Toronto!

Me encontro no quarto da vila, mala quase toda arrumada, deitada na cama esperando que chegue o sono (confesso que desde o dia da final dos 400 medley foi difícil dormir) porque amanhã tem treino antes de retornar pro Brasil.

Não costumo sentir falta de palavras pra expressar o que sinto mas esse campeonato conseguiu fazer isso comigo.

Desde o momento que tomei a decisão de voltar a nadar, eu me comprometi a ser leve, a buscar a felicidade dentro de um balizamento (e acreditem, eu era a mais falante no call room), a curtir o frio na barriga, a viver tudo com o encantamento de uma iniciante e a maturidade de uma veterana.

E como essa experiência foi boa, eu não consigo descrever. Desde o momento de embarque, a entrada na vila, a primeira olhada na piscina de competição, foi tudo mágico, eu finalmente encontrei a leveza da menina de 17 anos que acordou no dia de sua primeira participação olímpica e sorriu pro espelho, eu passei a semana inteira sorrindo por dentro.

Mas acontece que esse sorriso não surgiu durante essa semana, esse sorriso esteve dentro de mim durante toda a preparação.

Confesso que fiquei mais ansiosa antes da final dos 400 medley do que nas outras provas, é inerente, é uma prova dura, com uma história na minha vida; meu técnico percebeu e me disse: “não se esqueça que você voltou a nadar pra ser feliz”. Era tudo que eu precisava escutar. Pouco antes de entrar no balizamento eu disse: “você está certo, vou ali ser feliz”.

E aconteceu, o que parecia tão distante, finalmente se tornou realidade. Era frustrante melhorar meu tempo em todas as provas, menos nos 400 medley, era agoniante ver os anos passando, as meninas da minha geração aposentando, a natação evoluindo e eu presa a esse estigma.

Acreditem, ninguém se punia mais por isso do que eu mesma.

Acreditem também que eu só consegui melhorar esse tempo quando deixei de me punir.

E se tem uma frase que resume tudo o que sinto é a seguinte:

“Quando nada parece dar certo, vou ver o cortador de pedras martelando sua rocha talvez 100 vezes, sem que uma única rachadura apareça. Mas na centésima primeira martelada a pedra se abre em duas, e eu sei que não foi aquela que conseguiu isso, mas todas as que vieram antes.”

image1(2)

Joanna Maranhão Panamericano Toronto

Foto: Satiro Sodré

Joanna Maranhão Toronto Panamericano

Foto: Satiro Sodré

Posts relacionados

13 comentários em "Obrigada Toronto!"

  1. Teresinha disse:

    Jujuca, sei talvez tanto quanto você, o quanto foi árduo esses 11 anos, também sabemos que para sua disciplina em treinamento essa quebra deveria ter saído antes, porquê? Por alguma razão muito sábia do criador tinha que ser agora, sem palavras do quanto fiquei feliz, recompensa dos dias e dias na mesma rotina, que só quem ama o esporte, percebe o encantamento e felicidade de cada martelada.bjs Você é “arretada”.

    • Joanna Maranhão disse:

      Tudo tem uma razão de ser, mãe. Por algum motivo não era pra ser em nenhuma das oportunidades em que batemos na trave. Será que a gente iria valorizar se tivesse acontecido ali?Talvez não, o importante é que aconteceu e nesses anos a gente aprendeu e MUITO. Te amo gorduchinha!

  2. Lucas disse:

    Mito … Continue escrevendo por favor, para algumas pessoas isso é fonte de motivação ! Orgulho de sua história … Obrigado! Guerreira.

  3. Rodrigo G disse:

    Joanna, quem acompanha e ama esse esporte sabe da sua importância pra natação feminina. Você teve e tem tantos feitos que baixar dos 4’40 nos 400 medley não diminuiria sua história no esporte, mas… acho que essa marca vai além disso. Ela tem o valor da superação, da persistência, da crença, do levantar a cada tropeço. Perfeita a metáfora da martelada. Sua felicidade pela conquista foi contagiante, assim como, certamente, muitas meninas que tem o privilégio de estar nadando ao seu lado serão contagiadas pela sua força de vontade, pela sua dedicação e garra.
    Você tem todo o direito e a obrigação de se divertir nadando! Sua diversão é nossa deleite, pois te ver nadar é um privilégio! Parabéns! Que Deus te dê muita saúde e proteção pra seguir em frente, sendo feliz e nadando.

    • Joanna Maranhão disse:

      Que lindo, Rodrigo!
      Obrigada pelo comentário, é isso mesmo que você escreveu! Ser feliz e plena fazendo aquilo que amo, é minha maior motivação!

  4. Cheyenne disse:

    Só digo uma coisa: foi lindo de ver!
    Foi emocionante!
    Acompanho seus esforços e seu empenho e sei o valor que teve sua conquista!
    Parabéns mais uma vez!!!!

  5. Gabi disse:

    Eu não sei a quanto tempo não me sentia tão eufórica, tão entusiasmada ao assistir uma competição,não só de natação, uma qualquer. Foi fora de sério Joanna. Muito tempo sem sentir afinidade o suficiente por uma atleta pra querer a vitoria( vitoria, nao medalha. Vitoria pessoal. Superação. Isso é acima de pódio.)como se quisesse pra mim,acho que a ultima vez que senti essa mesma sensação foi quando uma certa “pirralha” passou pra uma final olímpica a uns 10, 11 anos atrás. Rs… Obrigada de coração. Vc foi incrível, vc é incrível. Orgulho define. Que sua aposentadoria ainda tarde,nas minhas contas vc só tem 17 anos.

    • Joanna Maranhão disse:

      Me emocionei com sua mensagem, Gabi!
      Não há maior vitória do que se superar, se ainda antes de melhorar essa marca eu já via sentido em tudo, hoje vejo mais claramente a razão de ser de todos os acontecimentos. Obrigada mais uma vez!Grande beijo!

  6. Marcelo disse:

    Joanna,

    Tive o prazer de conhecê-la aqui em Brasília em maio no campeonato brasileiro. Sou pai de atleta da natação e seu blog virou leitura obrigatória aqui em casa. Poucas vezes vi alguém conseguir expressar tão fielmente por meio da redação os sentimento, sensações, angústias e felicidades que permeiam a vida de um atleta. Seja ele olímpico ou não, até porque para cada nível de atleta existe a sua própria “olimpíada”. Seja ela o próprio jogos olímpicos ou uma competição de um festival de natação do seu bairro.
    Ver vc nadar o pan foi maravilhoso e ainda ler um relato tão emocionante e sincero como esse é melhor ainda. Somente quem vive o esporte sabe o valor da primeira martelada e o quanto ou mais importante ela é em relação à centésima primeira.
    Parabéns pelos resultados e nunca esqueça: “… você voltou a nadar pra ser feliz”

    Que venha o Rio 2016!!!!

  7. Rafael Oliveira disse:

    Parabéns pelo Pan Joanna! Antes das provas era até engraçado ver sua felicidade contrastando com o nervosismo de suas adversárias, naquele momento você contagiou a todos, e não deixou dúvida que o sucesso se aproximava. Fico feliz em ver que sua melhor natação voltou, pois desde seus duelos com Georgina Bardach não te via tão bem. Hoje você se reinventou como nadadora, e tornou-se ainda melhor.

    • Joanna Maranhão disse:

      Oi Rafael!Acho que dava pra ver como eu estava feliz, né? Hehe, pois é assim que me sinto todos os dias, no dia da competição não poderia ser diferente.
      Obrigada!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« »